Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 

 

Quadro comparativo das duas teorias candidatas a paradigma definitivo das Geociências:

1 - VCT600MA – Vênus Colidiu com a Terra há 600Ma

2 – TTP – Teoria Tectônica de Placas.

Tem as respostas para as grandes questões das Geociências à luz da VCT600MA e tem também uma coluna a com o resumo dos  defensores da TTP que foi aprovada como paradigma, após reuniões realizadas nos Estados Unidos na Geological Society of América, no Goddard Institute for Space Studies e na American Geophysical Union, no final de 1966 e início de 1967, foi proclamada como fato a partir de quando passou a ser aceita pela grande maioria dos geofísicos e geólogos e se tornou o Paradigma Geofísico em vigência. Isto porque não havia, na época, outra mais convincente.
Se você for um defensor convicto da TTP, tiver conhecimento sobre o assunto e quiser que sua opinião ou explicação seja colocada na posição correspondente à pergunta, envie um email para nós que preencheremos o espaço em questão.

          Este quadro foi inspirado no livro Diálogo (sobre os dois máximos sistemas; o Heliocêntrico e o Geocêntrico) de Galileu Galilei.

                                                                                                                         


 Questões                         

Respostas segundo a
VCT600MA        

Respostas segundo a  
TTP      

Qual a maior evidência de que a Terra tenha sofrido um choque planetário há 600 MA?

A ausência de 70% da crosta original e a posterior adaptação da crosta remanescente ao restante da massa líquida, através de rachaduras conhecidas como canyons. Isto porque se trata de um astro, predominantemente líquido, que quer voltar a ser uma esfera, o menor estado de energia potencial e de maior estabilidade. Todos estes grandes eventos tem idade igual ou menor que 600 MA.

Esta hipótese não foi pensada.

Por que as placas se encaixavam quando formavam a Pangea?

 

Porque faziam parte da crosta original, naquela parte do planeta.
Encaixavam-se tal como os pedaços de uma janela estilhaçada. O aspecto irregular vem do fato de que é resultado de um choque planetário, um tipo de colisão que teria energia para isto se o outro planeta estivesse a altíssima velocidade por estar com órbita de alta excentricidade.

Imagina-se que placas continentais teriam sido formadas contrariando o princípio da lateralidade e periodicamente estariam se juntando e se afastando em períodos de 500 MA. . Isso ocorre porque os continentes estão em movimento perpétuo, ainda não se sabe por que.

Por que os continentes dirigem-se, radialmente, a partir da África, contornando o planeta no sentido do centro do Oceano Pacífico?

As placas são atraídas para o centro da área do impacto, o Pacífico que tem profundidade média 804m abaixo da profundidade média dos outros oceanos e mares e por isto ali ainda estão faltando cerca de 133 milhões de km3 de massa, ou seja, debaixo da crosta oceânica. Ali, afundou a parte mais densa do manto remanescente que estava na direção do cone e que passou a ser coberto com as massas mais leves, tal como um navio afundando. Em outras palavras: ali o centro de gravidade está mais próximo do leito oceânico e por isto a força da gravidade conduz para ali a massa faltante, incluindo os continentes por escorregamento, que é necessária para melhorar a esfericidade do planeta. É um processo inexorável.

Estariam sendo empurradas por atrito do magma líquido com a parte inferior da crosta feita por correntes convectivas do manto geradas pelas hipotéticas correntes convectivas provocadas por hotspots cuja existência é defendida na teoria Ad Hoc Mantle Plumes.

Segundo a Universidade de Cambridge, as placas continentais estavam todas formando o super-continente Pangea há 600 milhões de anos. Por que houve o intervalo de 400 Ma para iniciar seus deslocamentos radiais a partir da África, há 200 Milhões de anos?

A região da Pangea tinha uma distância menor em relação ao novo centro de gravidade do que o manto que a circundava devido ao abaulamento provocado pelo movimento das camadas manto que eram de densidades diferentes e  não permitia o deslocamento que passou a ser possível após 400 Ma quando a distância passou a ser ligeiramente menor, devido a menor abaulamento, causando o deslocamento ou escorregamento por gravidade para o novo centro de gravidade na região do Pacífico que ali está mais próximo do leito oceânico. A energia que desloca os continentes é a energia potencial gravitacional e estes esmagam a crosta mais fina produzindo canyons no leito oceânico
A curvatura da massa remanescente, devido à grande deformação que, após algum tempo, se parecia com uma água-viva Aurélia-aurita quando fechada.

Não há boa explicação

Por que a Terra é o único planeta telúrico ou que tem crosta, que tem grande parte da crosta original faltando, com aspecto de solução de continuidade parecendo resultado de traumatismo?

A crosta da Terra, como em qualquer planeta telúrico, é esférica e é formada pelos rejeitos do manto por terem densidade menor e assim não há processo que a faça colapsar quando já tem espessura suficiente para entrar em equilíbrio, salvo a ação de um agente externo que em choque planetário possa lhe arrancar a crosta.
Antes de a crosta entrar em equilíbrio há enrugamento, por todo o astro, das finas camadas iniciais devido à falta de resistência para isto e que não pode ser confundido com as grandes saídas de magma de idade menor que 600 Ma no processo de adaptação da crosta.

É um regime tectônico que é exclusivo para o nosso planeta. A crosta apesar de sua convexividade e sua espessura de mais de 43 km consegue se dobrar e entrar por baixo de outra, de mesmo grau de flutuabilidade, em um processo chamado de subducção, devido ao atrito líquido-sólido do manto por baixo da crosta que consegue vencer o atrito sólido-sólido entre dois pedaços da crosta mesmo contrariando as leis da física.  Apesar de sua importância, não está claro como a subducção é iniciada, pois enquanto um pedaço da crosta teria que se abaixar cerca de 20km, vencendo a força-vetor empuxo (principio de Arquimedes) que é maior quando mais para o interior do manto,  o outro teria que se levantar certa de 20 km.

Como a Terra escapou, há 600 MA, de continuar sendo uma esfera de magma coberta de gelo como está sendo defendida pela teoria Snowball Earth de Paul Hoffman e Joseph Kirschvink?

Através da colisão planetária a Terra ficou com apenas a parte da crosta conhecida como Pangea e a parte do manto ficou a descoberto e as águas remanescentes correram para cima do manto  entrando em ebulição e aquecendo imediatamente todo o planeta e formando o que podemos chamar de Terra Bola de Vapor ou Steamball Earth.

Pensa-se que foi devido a um efeito estufa através da liberação de CO2 por vulcões e aquecido pela luz solar.

Por que a Terra têm gigantescos relevos tais como imensas montanhas e imensos canyons e imensas cavernas, apresentando assim um relevo de aspecto traumatizado.

Porque sofreu uma colisão astronômica, a altíssima velocidade, há 600 milhões de anos quando então perdeu a maior parte de sua massa e de sua crosta para o espaço exterior e ficando, a massa remanescente, com um aspecto quase cônico. A adaptação da crosta remanescente precisou se partir para conseguir isto.

Seriam resultado d ação das correntes convectivas do manto geradas pelas hipotéticas correntes convectivas provocadas por hotspots cuja existência é defendida na teoria Ad Hoc Mantle Plumes.

Por que foram encontrados fósseis claramente de origem marinha, a milhares de metros acima do nível do mar no meio dos continentes levando os geocientistas a pensarem que os continentes tinham emergido?

Com a descida do oceano global, após a colisão, a parte superior da crosta ficou com mares internos, lagos e lagoas muito salgadas onde se desenvolveram os animais complexos conhecidos como animais marinhos. Se estes fósseis encontrados na parte superior das montanhas forem examinados em detalhes, poderão ser detectados sinais de cozimento, pois no processo de adaptação da crosta o magma levantou o solo e produziu as montanhas cozinhando os animais com sua alta temperatura e demora em esfriar.

Constata-se que são encontrados em grandes altitudes devido ao levantamento das montanhas.

 

 

 

Por que ocorreu e ainda ocorre o deslocamento das placas continentais em um processo que já dura 200MA?

Por causa da recuperação da esfericidade perdida na colisão e que ainda não terminou. A região do centro do Pacífico continua com menor distância até o centro de gravidade provocando, para ali, os deslizamentos de massa.

Supõe-se que atrito de plumas mantélicas, resultantes de hotspots, estariam empurrando as placas continentais.

Por que a crosta continental tem espessura maior que 42 km e a oceânica tem 5 km?

A crosta continental é parte da crosta original e a oceânica é apenas a solidificação da parte superior do manto, principalmente  o basalto e coberta por sedimentos, resultantes de erosão,  vindos da parte superior da crosta continental nos últimos 600 MA.

Pensa-se que a crosta continental vem desaparecendo e em seu lugar vai nascendo placa oceânica tal como se observa na cadeia meso-oceânica no Atlântico e Indico.

Onde está o restante da crosta continental e da massa arrancada da Terra?

A crosta original foi lançada, em pedaços, ao espaço junto com a maior parte do manto e da maior parte da água que cobria o gelado planeta. A massa que não conseguiu velocidade para se manter em órbita do Sol caiu nele após descrever órbitas decadentes. A pouca massa que conseguiu a velocidade necessária é chamada de asteróides e cometas. Assim o movimento da crosta foi vertical, mas para cima.

Pensa-se que a crosta continental vem desaparecendo e em seu lugar vai nascendo placa oceânica tal como se observa na cadeia meso-oceânica no Atlântico e Indico.

 

 

 

Como atua o geodinamismo?

A partir do formato quase cônico que sobrou da colisão a movimentação das camadas de peso atômico diferentes levou a alteração e recuperação gradativa do formato esférico original que tinha a Super-Terra. As camadas da ponta do cone desceram por dentro dele e pelos lados tais como os deslizamento em montanhas e as outras, mais leves, as cobriram como ainda está ocorrendo com massa se deslocando para a região da colisão, a região do Pacífico.

Pensa-se que é devido ao movimento do manto por causa da hipotética existência de plumas mantélicas que estariam causando correntes convectivas do manto.

Qual a origem das montanhas?

A crosta remanescente tinha uma curvatura que era própria do planeta anterior ou Super-Terra, com um volume quase 16 vezes maior, e com a adaptação forçada a um planeta de menor diâmetro o magma atuava como ponto de apoio em um processo de alavanca e como era líquido levantava o subsolo produzindo montanhas ou derramava sobre o solo. Esta é a razão pela qual a pressão se manteve até ocorrer a solidificação do magma.

Imagina-se que seja resultante da ação de hipotéticas plumas mantélicas.

Por que as montanhas têm idades diferentes conforme foi demonstrado por datações radiométricas?

A recuperação da esfericidade da Terra é gradativa. Passando, ato contínuo à colisão, de um aspecto quase cônico até a quase esfericidade de hoje, passou por vários formatos, em lentíssimo processo, e só quando havia as condições para não apoiar suficientemente a placa, como um todo, ocorria a fratura e o levantamento do magma através dela porque era seu ponto de apoio. Isto fica evidente ao verificarmos as datas das grandes montanhas de magma sólido: Corcovado e Pão de Açucar 560 Ma, Everest 60 Ma, Montanhas Rochosas 70 Ma, Pirineus 100 Ma, Alpes 35 Ma, por exemplo. Neste processo a pressão era mantida e então ocorria a solidificação.

Dependia das plumas mantélicas conseguir furar os mais de 40 Km de crosta e levantar o solo, mas não se sabe como, neste caso, a pressão seria mantida até ocorrer a solidificação.

Foi constatada que a India estava, há 200 Ma, anexo à África, compondo o Pangea. Por que está fazendo parte da Ásia?

Quando do Pangea a India já fazia parte do continente asiático e quando da desintegração do super-continente Pangea a India foi junto no movimento de torção da Ásia indo no sentido do centro do Pacífico na direção norte. Ao contrário, a ilha da Sri Lanka vem se desgarrando da Índia no sentido do centro do Pacífico. Pela mesma razão isto também ocorre com a Tasmânia desgarrando no sentido do sul.

As hipotéticas, fracas e lentas correntes convectivas teriam conduzido a placa indiana e fazê-la de chocar com a asiática produzindo os gigantescos Himalaias.

Como e por que ocorreu a formação dos Himalaias?

Pela mesma razão que quaisquer outras montanhas,o levantamento do magma pelas inúmeras fraturas de adaptação da crosta que era de um planeta mais volumoso ou de maior diâmetro a um de menor diâmetro. As placas são convexas e forçam a concentração de pressão do magma até o rompimento e a mantêm até a solidificação.

Correntes convectivas teriam conduzido a placa indiana e fazê-la de chocar com a asiática produzindo os Himalaias, mas não se sabe como o magma subiria.

Qual a origem dos canyons e das cavernas?

É fratura da crosta adaptando-se a um planeta de menor esfericidade ou de menor raio. As cavernas são canyons cobertos por escombros.

Pensa-se que foram a erosão das águas e dos ventos.

Qual a causa do tectonismo global?

A recuperação gradual da esfericidade da Terra, pela segregação gravimétrica dos elementos do manto, precisa ser acompanhada pela crosta que sofre ajustes onde está já fraturada. A massa desloca-se para a região do Pacífico e afeta a esfericidade em todas as partes do planeta.

Pensa-se que é devido ao movimento do manto por causa da hipotética existência de plumas mantélicas que estariam causando correntes convectivas do manto.

Por que a recuperação da esfericidade da Terra é tão lenta, totalizando próximo de 600 milhões de anos?

A lentidão se deve ao fato de todos os elementos que compõe as diversas camadas, diferem do mais próximo de um próton e um nêutron, em média, pois a cada próton corresponde um nêutron. Afinal temos 92 elementos químicos naturais que vão do Hidrogênio com um próton até o mais pesado que é o Urânio com 92 prótons. São 92 camadas que precisam se recompor e terem a mesma espessura em todas as regiões iniciando a recuperação a partir do formato quase cônico. Portanto, a luta por sua posição relativa é árdua e ainda não terminou, mas é inexorável.

Ainda não há explicação.

Qual a causa do vulcanismo global?

A recuperação gradual da esfericidade da Terra precisa ser acompanhada pela crosta que conduz alguma massa da parte superior do manto para os vulcões. É resultado do mesmo processo que forma as montanhas. Os vulcões são furos remanescentes da quebra da crosta e funcionam como válvulas de alívio atrasando a ocorrência de terremotos.

Pensa-se que é devido ao movimento do manto por causa da hipotética existência de plumas mantélicas que estariam causando correntes convectivas do manto.

Por que o levantamento de montanhas parou de ocorrer?

O levantamento de montanhas parou de ocorrer porque a convexividade da crosta atingiu a curvatura próxima da ideal para o planeta formado com o que restou da Super-Terra.

Ainda não há explicação.

Qual a real origem dos tsunamis?

A recuperação da esfericidade da Terra é feita pelo deslocamento das massas para a região do Pacífico e provoca pressão sob a crosta oceânica que quando suspende pequenas placas também suspende a água que estava em cima delas e esta água precisa ser escoada e quem estiver mais perto é mais fortemente atingido. A suspensão de parte da crosta oceânica é resultado da curvatura mais acentuada do manto, em relação à da crosta.

Pensa-se que as placas tectônicas, por si só, têm força para se deslocar e causar levantamentos de partes de outra crosta.

Por que não há rochas ígneas ou magmáticas com idade superior a 600MA ?

Porque estas rochas ígneas são resultantes da mistura de camadas do manto que ocorreram no momento da colisão planetária, há 600 Ma, e que caíram sobre o gelado oceano global, em escoamento, e também e principalmente na subida do magma através das fissuras na crosta resultantes da adaptação da crosta que era da Super-Terra à massa restante e em busca da esfericidade perdida e com um raio muitas vezes menor, como ocorre até hoje.

Ainda em estudo.

Por que o Pacifico é o maior oceano Terra e vem diminuindo gradativamente?

Porque é o local do impacto planetário e por causa disto é o local da perda da maior parte da crosta. As placas continentais deslizam para lá fazendo-o ficar cada vez menor.

Ainda não se entende bem a preferência pelo Pacífico do deslocamento das placas continentais.

Por que os depósitos de minérios, incluindo o silício, o fósforo e o enxofre, estão sobre a parte superior da crosta continental e distribuídos, de forma aleatória, por todos os continentes, sendo alguns montanhas de minérios.

No choque planetário parte do manto da Terra, incluindo camadas dos minérios, não alcançou velocidade de escape (11,2 km/s) e caiu sobre as placas remanescentes e que compunham a Pangea.

Pensa-se que são fluxos hidrotermais ou mineralizantes que trariam os minérios de dentro da crosta depositando-os na superfície.

Por que muitos depósitos de minérios tem também outros elementos de peso atômico próximo?

Os elementos que compõe o manto terrestre estão distribuídos em camadas de acordo com seu peso atômico ou segregação gravimétrica, ou seja, as camadas de quase igual peso atômico estão em contacto e quando do choque planetário as camadas foram jogadas para o espaço e caíram como chuva de minérios.

Pensa-se que são fluxos hidrotermais ou mineralizantes que trariam os minérios de dentro da crosta depositando-os na superfície, mas não se sabe por que a proximidade de seus pesos atômicos.

Qual a composição do núcleo da Terra?

Os elementos do manto estão organizados por segregação gravimétrica e assim o elemento mais pesado é o Urânio que fica no centro cercado por camadas muito densas de elementos também muito pesados. Assim, os elementos mais pesados que o ferro estão, em camadas, no sentido do núcleo central.

Não há certeza. Pensa-se principalmente que composto de ferro e níquel derretidos.

 

 

 

Por que há rochas formadas por sedimentos com estruturas que foram interpretadas como ondas gigantes de sedimentos com idade próxima de 600 Ma que teriam sido depositados pela água a uma velocidade próxima de 20 m/s gerando “giant waves ripples” ?

  Estas rochas foram descobertas por  Allen e Paul Hoffman (2005) descobriram na Austrália, Brasil, Canadá, Namibia e Svalbard, http://www.snowballearth.org/news.html.
A razão é que imediatamente após a colisão astronômica a água remanescente (os atuais 1,4 bilhões de km3) do Oceano Global de 9,2 km espessura que cobria toda a Terra e compunha o Oceano Global e ficou a salvo da colisão por estar sobre a crosta salva ou remanescente (151 milhões/km2) escoou para fora da Pangea, recém formada, e este escoamento causou, já nos momentos finais, estas ondas gigantes de sedimentos de silicatos.

Está em estudo.

 

 

 

Por que se pensa que há um processo de subducção de placas tectônicas que explicaria o sumiço de 70% da crosta continental ou original?

Porque foram encontradas fossas marinhas, de grande profundidade, que são compostas de placas finas de basalto que foram esmagadas pelo movimento das grandes e espessas placas continentais escorregando rumo ao centro do Pacífico.

As fossas marinhas são resultado da hipotética subducção de placas,

Por que não há subdução de placas?

Porque o poderoso vetor empuxo que sustenta as convexas placas continentais, em flutuação, com espessura superior a 42km, impediria seu mergulho no manto. A crosta continental tem densidade 2,8 t/m3 e o manto, na parte superior, tem 3,3 t/m3.

Pensa-se que há subducção de placas pela ação das hipotéticas correntes convectivas do manto provocadas por plumas mantélicas (mantle plumes).

Por que os desenhos que defendem a subducção de placas continentais na T.Tectônica de Placas não mostram o vetor da força empuxo impedindo o hipotético mergulho de placas?

Porque, muito provavelmente, o primeiro a desenhar desconhecia o fenômeno físico e os outros apenas copiaram.
Erro crasso de física ou de geofísica.

Constata-se que os cientistas, sobre isto, têm diversas interpretações.

 

 

 

Onde estão os cerca de 900 km3 de material erodido do Grand Canyon. Isto sempre foi um grande mistério.

 

A maior parte do material erodido foi colapsada dentro do próprio canyon em eventos ocasionais de abertura, ou seja, na imensa fenda de mais de 40 km de profundidade e em toda a sua extensão de 446 km. Isto vale para todos os canyons e cavernas.

Pensa-se que o Rio Colorado formou o Grand Canyon, mas não se sabe para onde ele levou o material erodido.

Qual a origem do petróleo?

Antes da colisão o Oceano Global tinha em suas águas todo o carbono em microalgas, bactérias e protozoários e quando ficaram aprisionados em lagos e lagoas sobre a crosta  e cobertos por sedimentos passaram a compor uma lama orgânica que posteriormente foi encoberta pelos sedimentos das erosões.

São controvertidas as teorias sobre a origem do petróleo. Em sua grande maioria os pesquisadores modernos tendem a reconhecer como válida apenas a teoria orgânica, na qual destacam o papel representado pelos microorganismos animais e vegetais que sob a ação de bactérias, formariam um caldo orgânico no fundo dos mares e após serem cobertos por sedimentos passaram a compor rochas depósito.

Por que há petróleo, no oceano, a 7.000 m de profundidade e outros a menor profundidade e também sobre a crosta?

Os depósitos formados entre as placas continentais ficaram a 7 km de profundidade, sobre a parte superior do manto, solidificada, porque isto representa a diferença de flutuação entre a crosta (2,8 t/m3) e a parte superior do manto (3,3 t/m3), foi coberta por sedimentos que caiam da beirada da placa continental e à medida que a crosta foi se adaptando a nova esfericidade do planeta as fraturas provocadas e/ou aumento das já existentes conduziam o petróleo para níveis mais acima dando a impressão de que os novos depósitos foram formados com material orgânico mais recente.

Ainda não está muito claro como foi este processo.

Por que não há petróleo no fundo do oceano Pacífico tal como no fundo do leito do Atlântico em depósitos como o pré-sal?

O Pacífico é o oceano remanescente do que já foi o oceano que cercava o Pangea e que estava em contato direto com a parte superior do manto e com suas águas em grandes correntes convectivas por estar em ebulição e assim não houve, ali, aprisionamento de material orgânico para formar depósitos.

Em estudo.

 

GEOFÍSICA

 

Como foi formado o campo geomagnético, como se mantêm, e por que está diminuindo gradativamente?

Quando da colisão os jatos de ferro provocaram um intenso campo magnético e camada remanescente de ferro passou a atuar como um potente íma, evidenciado na magnetita encontrada sobre todo o planeta. A manutenção se dá porque a camada de ferro movimenta-se para se recuperar porque precisa atingir a mesma espessura em todo o planeta e isto ainda não ocorreu, mas vem melhorando.

Pensa-se que o núcleo gira em seu eixo numa velocidade angular diferente do resto do planeta.

Por que ocorreram as inversões dos pólos magnéticos?

No processo de migração, para sua posição relativa, as massas que compunham o manto terrestre original os elementos mais pesados que o ferro ficaram na direção da ponta do cone e precisaram atravessar esta camada para compor o novo núcleo ou novo centro de gravidade e isto levou a que a camada de ferro ou íma  tivesse diferentes formatos ao longo deste processo e isto tornou possível as inversões. Consulte o item: A formação do campo magnético e suas inversões.

Ainda em estudo.

 

 

 

 

PALEONTOLOGIA

 

Por que e como ocorreu a Explosão do Cambriano, um dos dilemas de Charles Darwin?

A explosão do Cambriano, para ocorrer, precisou de imensa quantidade de energia que foi fornecida pelo contado direto da água remanescente (1,4 bilhões de km3) com a parte superior do manto que ficou a descoberto pela perda de 70% da crosta. Isto gerou um ambiente super-quente, com grande parte do oceano suspenso devido à evaporação, com muitos raios ininterruptos por dezenas de milhões de anos e em ambiente de variedade de elementos químicos jogados sobre a crosta e na qual os micro-organismos tiveram todas as condições para desenvolver sua complexidade.

Não há como fazer conexão entre movimento de placas tectônicas e o evento Explosão do Cambriano ou explosão da complexidade dos organismos.

 

 

 

Onde é mais provável de ser encontrados fósseis de grandes animais na crosta continental?

A abertura dos canyons levavam ao sepultamento rápido, em grandes profundidades, os animais que ali viviam ou estavam de passagem. Sepultados nos canyons formados por mais de uma abertura da crosta naquela região. Os animais passavam por dentro das ravinas, pois era um lugar bom para andar por ser sedimentado, mas perigoso porque os canyons se abriam para novo ajuste da esfericidade do planeta. O Grand Canyon, muito provavelmente, virá a ser conhecido, também, como “Grand Cemetery of Animals”. Nos canyons secos é mais fácil se fazer poços para exploração com passagens laterais. Os equipamentos de geofísica usados no levantamento de dados para a exploração de petróleo poderão ser muito úteis.

Constata-se que fósseis são encontrados no sopé das montanhas e também em cima, mas pensa-se que o “fenômeno” Mantle Plumes seria o responsável pelo levantamento das montanhas.

Por que foi encontrada uma enorme quantidade de fosseis (mais de 7.600), na província de Shandong, na região de Zhucheng – China em uma ravina de 300 metros de comprimento por 10 de largura como recentemente anunciado pela Agencia de notícias Xinhua?

O levantamento, ao mesmo tempo, de montanhas próximas e quentes devido ao magma que as estavam formando, assustou os animais que foram cercados como peixes em uma rede, com os menores sendo pisoteados, tendo seus ossos fraturados e depois, todos sepultados com evidências de que foram calcinados.

Não há como fazer conexão entre movimento de placas tectônicas e o encontro de fósseis organismos.

Por que há tantos fósseis de animais marinhos ou de água salgada sobre a crosta continental?

Quando do escoamento do Oceano Global, imediatamente à colisão, muita água salgada ficou distribuída por milhões de lagos e lagoas e ali, principalmente, foi desenvolvida a vida complexa.

Não há como fazer conexão entre movimento de placas tectônicas e o encontro de fósseis organismos.

Por que a complexidade dos animais só passou a existir após a colisão planetária?

A complexidade na construção de algo depende da variedade de elementos disponíveis. Antes da colisão só havia elementos leves no Oceano Global, tais como carbono na forma de CO2, Cloro, Sódio, Hidrogênio, Oxigênio, Nitrogênio e formavam as microalgas e os protozoários. Assim, só após a colisão os outros elementos da tabela periódica ficam disponíveis sobre a crosta por terem sido arrancados do manto e jogados sobre ela, tal como uma chuva de metais. Com a explosão do calor passou a ser desenvolvida a complexidade dos organismos.

Não há como fazer conexão entre movimento de placas tectônicas e o evento explosão da complexidade dos organismos.

 

 

 

 

 

 

O que fez desaparecerem os ambientes onde viviam baleias, tais como o Vale das Baleias (wadi al-hitan) no deserto egípcio, atualmente rico em fosseis de animais marinhos pré-históricos?

O aumento da esfericidade levou ao levantamento do fundo dos grandes lagos e provocou seu escoamento.
Este processo continua e é o responsável pela elevação dos Himalaias em cerca de 5 mm/ano. Ajuste que provoca muitos terremotos. Há muitos outros lagos que sofreram este fenômeno.

Não há como fazer conexão entre movimento de tectônico das placas e o desaparecimento de animais do  Vale das Baleias.